Três horas de corrida e apenas cinco voltas na frente


Muito legal este release do Tiago Mendonça sobre a Top Series. As vezes ele se inspira e escreve algumas coisas interessantes. Ele fez um levantamento sobre a corrida do fim de semana em Curitiba, Paraná, e contou seis lideres diferentes nas três horas de corrida e que, nós que vencemos, lideramos apenas cinco voltas. Loco né!

Largamos na pole e aconteceu de tudo na corrida. Aqui está a minha visão da prova.

Abaixo o release do Mendonça.

Mais abaixo um vídeo da Bandeirantes com os momentos finais da corrida.

Seis líderes em três horas e decisão nas últimas voltas em Pinhais

Uma retrospectiva diante dos principais números da segunda etapa da TOP SERIES

Sabe o que representam as únicas cinco voltas lideradas por Daniel Serra durante a segunda etapa da TOP SERIES? Menos de 5% da corrida, que teve três horas de duração e 421,23 km completados no circuito de Pinhais… A categoria, que nasceu para resgatar o brilho das corridas de longa duração, teve mais um espetáculo de competitividade com a vitória de Daniel Serra e Chico Longo, ao volante da Ferrari F458 – o último entre os seis carros que chegaram a liderar no Paraná.

Importante destacar que eles lideraram absolutamente todas as sessões de treinos da segunda etapa da TOP SERIES, fizeram a pole position, mas perderam o primeiro lugar antes mesmo de completar a primeira passagem, forçados a uma parada não programada, para colocar os pneus de chuva. Então não perca a conta dos líderes: com as paradas, quem passou à frente foi a BMW M3 de Henry Visconde e Ricardo Landi. Na volta seguinte, o primeiro colocado era o Aldee de Admir Pardo e Diego Pardo.

Quando as coisas começaram a se normalizar, pulou à frente o Lamborghini Gallardo LP600+, de Xandy Negrão e Xandinho Negrão. Entre idas e vindas, eles ficariam na liderança por 79 voltas, o equivalente a quase 70% da prova no Paraná. Também estiveram à frente o Porsche 911 RSR, de Marcel Visconde e Max Wilson, e o Corvette Z06R, de Rodrigo Barbosa e Pedro Queirolo. Até que, na 110ª passagem, surgiu a Ferrari F458 de Serrinha e Longo.

Um detalhe curioso: a melhor volta da prova foi registrada por Daniel Serra, na 78ª volta, com 1min21s147. Naquele momento, Xandinho era o líder e respondeu registrando seu melhor tempo na 79ª volta, com 1min22s495. Mas foi o último suspiro da Lamborghini na disputa com a Ferrari. Carros que, em condições normais, andam sempre muito próximos – a diferença entre eles no grid de largada foi de apenas 0s235. Mas as coisas estavam difíceis para Xandinho.

A partir daí, Serrinha começou a tirar entre dois e três segundos por volta, pilotando no limite e contando com o desgaste excessivo da Lambo. Xandinho explicou depois que estava com os pneus deteriorados e que o carro não respondia bem nas curvas de alta, complicando a disputa com Serrinha. O ápice da disputa entre eles veio a cinco voltas da bandeirada em Pinhais. Na etapa anterior, Xandy e Xandinho é que haviam levado a melhor sobre Serra e Longo, no Anhembi.

E sabe qual foi o carro mais rápido depois de Ferrari e Lambo em Pinhais? Essa é mesmo difícil de acertar: foi o Protótipo MRX, da dupla Nilson Ribeiro e José Ribeiro, da categoria TOP 2… As circunstâncias ajudaram, mas eles superaram todos os demais modelos da TOP 1 ao registrar uma passagem em 1min24s158, na 60ª volta. E a TOP SERIES despediu-se do circuito de Pinhais com um recorde já esperado para a categoria que reúne os carros mais rápidos do Brasil.

A pole position foi registrada por Daniel Serra no sábado com 1min15s440. O melhor tempo alcançado por uma categoria nacional neste ano em Pinhais (os principais campeonatos brasileiros já passaram pela pista neste primeiro semestre de 2012). Agora, os carros mais velozes do País voltam a acelerar no dia 22 de julho, com mais três horas de corrida no Autódromo de Interlagos – José Carlos Pace, em São Paulo (SP). Alguém arrisca um palpite?

Esta entrada foi publicada em Automobilismo e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.